Manutenção em extintores: nível I, II e III

Escrito por Vítor Fernandes

Diretor na OFOS com mais de 10 anos de experiência no mercado de prevenção e combate a incêndios

A importância de realizar a manutenção dos Extintores de Incêndio

Os extintores de incêndio são a maneira mais ágil e eficiente de se combater um princípio de incêndio. A rápida ação dos frequentadores do imóvel aliado ao correto uso do equipamento, pode salvar vidas e impedir prejuízos financeiros.

A maior parte dos incêndios se inicia a partir de pequenos focos, originados normalmente por curto circuitos. Se forem combatidos de início, enquanto o fogo ainda não se alastrou, fica mais fácil de controlar e extinguir.

Depois que o fogo toma grande proporção, os extintores são inúteis.

Portanto, manter a manutenção em dia e em acordo com as normas do INMETRO é uma das ações mais importantes a serem realizadas por donos de imóveis ou responsáveis legais.

Quem pode realizar amanutenção em Extintores de Incêndio

Apenas empresas especializadas e com o devido registro no INMETRO podem exercer este tipo de atividade. Não se deixe enganar por empresas “trambiqueiras”, são muitas no mercado.

Verifique junto ao INMETRO seu registro, faça uma vistoria na fábrica para conhecer as instalações e exija ver o Relatório de Inspeção, Manutenção e Recarga do INMETRO que deve ser preenchido a cada serviço.  Só assim você pode ter a garantia da prestação de um serviço de qualidade.

Quando cada tipo de manutenção nível 1, 2 e 3 deve ser realizada?

É importante estar atento para realizar as diferentes manutenções dentro do prazo estabelecido em lei. Caso contrário, o imóvel pode sofrer sanções do Corpo de Bombeiros.

A de Nível 1 deve ser realizada a cada 6 meses e tem caráter de inspeção apenas. Extintores de Gás Carbônico (CO2) são exceção e podem ser inspecionados a cada 12 meses. Aconselhamos maior frequência de inspeção para extintores que ficam expostos a intempéries e condições agressivas.

Caso algum problema grave for constatado, o extintor deve ser encaminhado para manutenção de Nível 2. Os problemas mais comuns são lacre e selos violados, extintor despressurizado ou descarregado e falta de componentes como a mangueira. Além disso o Nível 2 deve ser feito, independentemente da situação do extintor a cada 12 meses.

A manutenção de Nível 3 deve ser realizada a cada 5 anos. Se o cilindro apresentar algum dano grave, como corrosão ou ilegibilidade das informações, a manutenção deve ser adiantada.

A diferença entre as manutenções de nível 1, 2 e 3 nos Extintores

Manutenção de Extintor Nível 1

É mais uma inspeção que uma manutenção propriamente dita. Ocorre no local onde o extintor está instalado, e deve ser realizada a cada 6 meses. É realizada a limpeza do equipamento e o reaperto e/ou substituição de peças que não são submetidas a pressão. Caso for constatado algum problema mais grave o extintor deve ser encaminho a uma empresa especializada, que irá submetê-lo a manutenção de nível 2.

Quer um modelo de ficha de inspeção para ser usada aí na sua empresa ou imóvel? Faça já o download.

Manutenção de Extintor Nível 2

Essa manutenção é obrigatória e deve ser realizada a cada 12 meses, por uma empresa competente e registrada no INMETRO. É feita a desmontagem completa de todos os componentes do extintor para limpeza. Em seguida, é realizada a inspeção visual das peças e da parte interna do extintor. Todos os componentes que ficam sob pressão são então testados e ensaiados. Por fim o extintor é remontado e são colocados anel, trave, lacre, selo do INMETRO e termo de garantia.

Manutenção de Extintor Nível 3

Segue exatamente a mesma sequência de manutenção do Nível 2, mas tem duas etapas adicionais. A primeira delas é o teste hidrostático, que serve para identificar a integridade e resistência, também do cilindro. A segunda delas é a pintura do cilindro. Essa manutenção deve ser realizada obrigatoriamente a cada 5 anos.

Quando um Extintor de Incêndio deve ser condenado?

Para que as Manutenções de Nível 2 e 3 possam ser realizadas, é obrigatório que os cilindros dos extintores de incêndio tenham as seguintes marcações à punção:

  • Identificação do fabricante;
  • Número do cilindro;
  • Data e Norma de fabricação;
  • Código de projeto (para extintores fabricados a partir de 2006)

Caso uma ou mais informações não constem no cilindro, ele será condenado automaticamente.

Se ocorrer a falta de componentes no mercado para um determinado tipo de extintor de incêndio, adaptações não serão permitidas. Se o extintor passar por algum tipo de dano térmico, esse dano não pode ultrapassar a pintura e afetar a chapa metálica. Nesses dois casos serão condenados.

Durante os testes hidrostáticos alguns requisitos devem ser preenchidos para que os cilindros não sejam condenados:

  • Cilindros de baixa pressão: não podem apresentar vazamento, deformação visível ou queda de pressão acima de 0,1 Mpa (1kgf/cm²).
  • Cilindros de alta pressão: a expansão permanente percentual não deve exceder a 10% da expansão total durante o ensaio.

Extintores cujo cilindro apresente forte corrosão, comprometendo mais de 6% de sua massa total, serão condenados.

Extintores de incêndio que forem condenados devem ter sua pintura removida. Além disso, a empresa responsável pelo serviço, deve puncionar a palavra “condenado” juntamente a punção personalizada da empresa.

Antes do cilindro ser condenado, o fornecedor deve entrar em contato com o cliente, informar o ocorrido e pedir autorização. Além disso, se certifique que a empresa contratada faz o descarte correto dos cilindros condenados.

Quer saber mais detalhes?

Entre em nosso site www.ofos.com.br e visite nossa página no LinkedIn.

Você sabia que as mangueiras de incêndio também devem passar por rigoroso processo de teste? Saiba todos os detalhes. Acesse este outro artigo.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp WhatsApp - Fale Conosco